Como plantar pimenta orgânica em vasos

Floração da pimenteira Sweet Pickle

Nunca pensei que fosse gostar tanto de cultivar pimentas. Tudo começou com algumas trocas que fiz com amigas, e hoje, juntamente com os tomateiros as pimenteiras se tornaram o novo xodó da horta e do jardim rss... 

No post de hoje, vou passar algumas dicas gerais que uso para todas as espécies de pimenta que estou cultivando atualmente. 

Germinação de sementes de pimenta

Germinação: Para o início do cultivo, uso o substrato próprio para germinação da Carolina Padrão. Mas você pode usar a própria terra do jardim e também incrementá-la com vermiculita e húmus de minhoca. Nessa fase, costumo usar copinhos descartáveis de apenas 80 ml, mas você pode usar o recipiente que tiver em casa e até mesmo semear diretamente no vaso ou no canteiro. Se optar pelo canteiro, a dica é não deixar secar a terra, pois o excesso de sol pode matar a muda. Não esqueça também de fazer furos de drenagem no fundo do recipiente que for utilizar.

Semeie de 2 à 3 sementes, cubra de leve com o substrato e faça o raleio eliminando as mudas mais fracas assim que germinarem. É super importante que não haja competição por água e outros nutrientes entre as mudas. Também não gosto muito de fazer transplantes das mudas raleadas, faço a reciclagem das mesmas na composteira orgânica.

Cotilédone da pimenteira logo após germinação

Insolação:
Falando em sol, esse é um fator importante para o sucesso no plantio. Mesmo as mudas bem pequenas precisam de sol direto para se desenvolverem bem. O sol da manhã é o mais indicado, e você pode deixá-las de 7 às 9 da manhã, inclusive sob a copa de uma arvore para que peguem sol de maneira filtrada. Quando os exemplares estiverem mais desenvolvidos, o ideal é que peguem de 4 à 6 horas de sol direto por dia. Aqui elas ficam sempre sob a copa de pequenas árvores como o mamoeiro, e vão recebendo o sol filtrado. Desta forma o substrato nunca seca por completo e elas ficam bem saudáveis. 

Muda de pimenta

Regas: Depois do sol, a rega é outro fator muito importante. Se as plantas sofrem estresse hídrico (falta d'água), elas ficam muito susceptíveis ao ataque de pragas e doenças. E falo isso por experiencia própria. Há alguns anos cultivei várias espécies de pimentas, mas sempre me esquecia e regava somente quando via as folhas murchas. Como resultado, minhas plantas foram vítimas de sucessivos ataques de pulgões e cochonilhas. E foi então que passei um longo período sem cultivá-las porque ninguém merece ficar toda semana combatendo essas pragas. 

Cheguei a pensar que o clima da minha região não era propício para esse tipo de cultivo. Mas com o tempo, vieram as experiências, e como disse no início do post as sementes que ganhei também renovaram a vontade de cultivar as ardidas rss.

Aqui rego meus exemplares todos os dias, passo com um balde fazendo as regas todas as manhãs. Uso um copo de 200 ml para os vasos maiores de 5 l e cerca de 100 ml para os vasos menores, com menos de 2 l. A água que utilizo, é a coletada da calha nos períodos de chuva. No tempo da seca, uso a água da torneira, mas deixo num galão descansando por alguns dias. E a última dica é usar pouca água na rega. Você pode até regar duas vezes por dia, mas sempre com pouca água para não "lavar" os nutrientes do substrato

Pimenta ornamental

Substrato: A última dica que deixo para o sucesso no cultivo é o substrato. Ele deve ser rico em matéria orgânica e bem drenável. Para ajudar na drenagem você pode usar um pouco de areia lavada, aquelas comuns de construção, e ou a vermiculita. No caso da vermiculita, ela não só melhora a drenagem como também absorve e depois libera lentamente a água das regas e nutrientes. 

Para a preparação do substrato vou indicar a "receita" que compartilhei no Canal do Jardinet no YouTube. E também o vídeo abaixo onde complemento com adubação orgânica.




Continue lendo para saber mais sobre:


Siga o Jardinet nas redes sociais e fique por dentro das novidades com várias dicas de cultivo!
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...